16.6.08

Aqui te amo...









Aqui te amo.

Nos sombrios pinheiros desenreda-se o vento.

A luz fosforesce sobre as águas errantes.

Andam dias iguais a perseguir-se.



Desaperta-se a névoa em dançantes figuras.

Uma gaivota de prata desprende-se do ocaso.

Às vezes uma vela. Altas, altas estrelas.

Ou a cruz negra de um barco.

Sozinho.



Às vezes amanheço, e até a alma está húmida.

Soa, ressoa o mar ao longe.

Este é um porto.

Aqui te amo.
Pablo Neruda, Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger mari said...

Ai, que lindo!!!
Como é bom amar e ser amada. Amor verdadeiro é um mistério. Lindo o poema da semana.
Prazer almájanela!!! Sou a mari.
Beijos.

17/6/08  
Blogger Rosarinho said...

De cortar a respiracao.Adorei (perdao pelo teclado japones)

17/6/08  
Anonymous Saramar said...

Neruda, encantador de almas!
Gosto demais dos poemas dele.
Obrigada.

beijos

17/6/08  
Blogger almàjanela said...

mari

olá sou a Alma.

para todas

muito obrigada e beijinhos

alma

18/6/08  

Enviar um comentário

<< Home