25.9.08

TWIN TOWERS Ataques às Torres Gémeas (IV)

Como este tema está sempre actual-não só pelo 9/11 ,mas também pelos atentados um pouco por todo o Mundo, Iraque, Paquistão...) convém saber mais sobre a ideologia terrorista islâmica.
Hoje vamos abordar uma "Carta ao Povo Americano" da autoria de Ossama bin Laden originalmente divulgada num "website" da Arábia Saudita, anteriormente ao 9/11 usado pela "Al Qaeda" para transmitir mensagens, e mais tarde publicado pelo "Observer".
Começa por citar:
Al Corão-22:39 "Foi concedida permissão aos crentes (islâmicos) para combaterem os infiéis-na verdade, Alá é Todo-Poderoso e oferece aos crentes (islâmicos) a vitória".
Al Corão-4:76 "Os que crêem combatem pela causa de Alá. Os que não crêem, combatem pela causa de Taghut".

Depois desta introdução, Ossama formula duas perguntas:
1- Porque lutam contra os USA?
2- O que querem dos Americanos?

No primeiro ponto, começa por invocar a situação da Palestina acusando os Britânicos de a terem entregue a Israel, "depois de ter estado sob ocupação militar durante mais de oitenta anos". Este argumento parece ir buscar legitimidade Histórica para a Palestina ser "muçulmana".
Ora, ao falar de ocupação, não condena com vigor a ocupação Otomana de toda a Arábia que provocou um sentimento anti -Turco que ainda hoje permanece.
Depois, acrescenta: "Em nós provoca simultaneamente lágrimas e riso vermos que vocês ainda não se cansaram de repetir as vossas mentiras inventadas de que os Judeus têm um direito histórico à Palestina, tal como lhes foi prometido na Tora...Essa é uma das maquinações mais falazes e de mais vasta circulação na História". E acrescenta: "Os habitantes da Palestina são árabes puros e semitas originais (Hitler não diria melhor!)."São os muçulmanos os herdeiros de Moisés.Se foi prometido aos seguidores de Moisés um direito à Palestina na Tora, então os muçulmanos são a Nação mais digna disso".
Este argumento é uma mentira Histórica facilmente desmontada.
Com efeito, Maomé morreu no séc VII: só a partir dele há muçulmanos. Aliás, a conquista da Palestina e de toda a Arábia incluindo a Mesopotâmia por seguidores de Maomé foi particularmente sanguinária, como iremos escrever e fundamentar em posts futuros.
Até Maomé, a Palestina foi governada por Romanos que reprimiram brutalmente diversas sublevações de Judeus. E após Cristo, os palestinianos/judeus foram se convertendo a pouco e pouco mas nunca utilizaram a violência.
Mas compreende-se a inteligência de bin Laden em utilizar um argumento Bíblico para o povo Americano.
Quanto à segunda questão:
"A primeira coisa a que vos exortamos é ao Islão: A religião da unificação de Alá; de completa submissão às suas leis e de rejeição de todas as opiniões, ordens, teorias e religiões que contradizem a religião que Alá enviou ao seu profeta Maomé".
E mais adiante:
"É triste dizer-vos que vocês são a pior civilização que a História da Humanidade já testemunhou: 1- Nação que, em vez de governar pela Sharia de Alá na sua Constituição e nas leis, optou por inventar as suas próprias leis. 4-Nação que permite actos de imoralidade e consideram que eles são os pilares da liberdade individual...Quem pode esquecer os actos imorais do vosso Presidente Clinton no gabinete oval oficial?Vocês nem sequer o chamaram a prestar contas...tudo passou sem punição. Haverá um género pior de acontecimento pelo qual o vosso nome irá decair na História...? 6-Nação que explora as mulheres como produto de consumo ou como instrumentos de publicidade...7-Nação que pratica o comércio do sexo em todas as suas formas...sob o nome de arte, entretenimento, turismo e liberdade e outros nomes ilusórios"

Curiosamente, os mais férreos defensores e "desculpadores" do radicalismo islâmico encaixam que nem luvas nestas críticas de bin Laden!
Porquê então a discrepância entre o que apregoam e o estilo de vida que levam?
Problemas existenciais, talvez.

E conclui: se não responderem a estas condições, preparem-se para lutar com a Nação islâmica.
E cita o Al Corão:" Combatei-os. Alá puni-los-á por vossas mãos. humilhá-los-á e conceder-vos-á a vitória sobre eles" (os inimigos do Islão). 9:13-1.
Al Corão-3:169-171 "Não tenhais por mortos aqueles que morreram por causa de Alá.Estão vivos...estão alimentados. E rejubilam porque Alá lhes concedeu os seus favores...pensando naqueles que ainda não se lhes juntaram".
E conclui:
"Se os Americanos recusarem ouvir os nossos conselhos e a benevolência a que nós os exortamos...irão perder esta cruzada que Bush iniciou.Se não responderem, o seu destino será o dos soviéticos que fugiram do Afeganistão para lidarem com a sua derrota militar, a desintegração política...e a bancarrota económica".
Mais uma vez, o recurso à invasão soviética do Afeganistão como facto que aglutinou e fez reviver o radicalismo islâmico.

Em futuras oportunidades, voltaremos com mais posts sobre a ideologia que cimenteia o terror destes tempos.
Temos como base o libro de Kareen J. Greenberg da "Editorial Estampa".

Etiquetas: , ,

9 Comments:

Blogger Renata Maria Parreira Cordeiro said...

Osátiro:
Por favor, vá ao meu Blog e me dê forças para superar este momento tão difícil. O post é novo, mas não precisa nem ler, só a sua presença bastará.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

25/9/08  
Anonymous Jorge Arbusto said...

Nem seria de esperar outra coisa: Claro que lhe convém atirar para cima da ex-URSS a culpa da loucura fundamentalista muçulmana, ilibando assim os seus queridos EUA. Continua (e continuará para sempre, que já não tem remédio) a querer ignorar aquilo que todos sabem: se o fundamentalismo islâmico se tornou tão activo neste século XXI, foi sobretudo como reacção aos actos bélicos imperialistas norte-americanos. Até eu me tornava radical se os EUA andassem a meter o bedelho nos meus assuntos.

"Mais uma vez, o recurso à invasão soviética do Afeganistão como facto que aglutinou e fez reviver o radicalismo islâmico" (sic). Isto, obviamente, são conclusões suas, que enfermam da sua parcialidade doentia.

25/9/08  
Blogger Manuela said...

Sem me esquecer que Bin Laden não é nenhum santo nem os seus seguidores, concordo com o texto.
Manuela

25/9/08  
Blogger Marta said...

Interessante o tema escolhido e bem exposto...
Obrigada pela visita...
Volte sempre que quiser....
Beijos e abraços
Marta

25/9/08  
Blogger osátiro said...

Jorge, as conclusões são minhas.
Mas o facto de Ossama citar com muita frequência a invasão do Afeganistão, é porque lhe dá relevãncia.
Não diz o mesmo, por exemplo, da colonização do Magreb pelos franceses.
Claro que os admiradores da URSS e do estalinismo não apreciam esta conexão, mas parece-me evidente.
Até em termos cronológicos.

26/9/08  
Blogger osátiro said...

Manuela, o bin Laden é um terrorista selvagem sem quaisquer escrúpulos.
Pelo menosa ETA ainda telefona a avisar que as bombas vão explodir.

26/9/08  
Anonymous Jorge Arbusto said...

Eu não digo que isso não influencie, mas sabe muito bem que Bin Laden fala ainda muito mais nos EUA e que o terrorismo islâmico se tornou muito mais activo por causa dos norte-americanos (e dos europeus "maria-vai-com-as-outras"). O seu problema não é não dizer verdades, que até as diz. O seu problema é não conseguir dizer as verdades todas, mas apenas aquelas que não beliscam os sistemas políticos da sua simpatia.

26/9/08  
Anonymous Jorge Arbusto said...

Mas, já agora, não queria deixar passar um pormenor em claro, que sou capaz de não ter outra oportunidade para concordar consigo. Ao menos nisto, percebe uma coisa que pouca gente percebe: o terrorismo da ETA (tenho algum pejo em chamar a isso terrorismo) não se pode comparar minimamente ao actual terrorismo islâmico, que abate tudo o que mexe. A ETA costuma ter o cuidado de tentar não matar inocentes. Muito mais atroz do que a ETA é aquela gente que insiste em não ver diferença entre uma coisa e outra, independentemente de terem o direito de condenarem os atentados da ETA.

26/9/08  
Blogger osátiro said...

Jorge,exacto, estamos de acordo com a ETA: eu acho-os terroristas (em Espanha todos os partidos nacionais, inclusivé a Izquirda Unida os acham), mas não têm a selvajaria da Al Qaeda.
E tb concordo que o bin Laden está mais anti USA, mas por outras razões: a ideia do Califado a nível mundial (ontem a SIC-N apresentou um excelente documentário com um muslim british que abandonou o radicalismo), que é o objectivo da Al Qaeda, tem que combater a maior potência que lhes faz frente. Se, por hipótese, a China passar a maior potência mundial, o objectivo nº 1 passam a ser os chineses.
Cumprimentos

26/9/08  

Enviar um comentário

<< Home