3.2.09

Paciências

"As tias velhas dos que as tiveram, nos serões a petróleo das casas vagas na província, entretinham a hora em que a criada dorme ao som crescente da chaleira[...] a fazer paciências com cartas. Tem saudades em mim desse sossego inútil alguém que se coloca no seu lugar. Vem o chá e o baralho velho amontoa-se regular ao canto da mesa. O guarda-louça enorme escurece a sombra, na sala de jantar apenumbrada. Sua de sono a cara da criada lentamente por acabar. Vejo isso tudo em mim com uma angústia e uma saudade independentes de ter relação com qualquer coisa. E, sem querer, ponho-me a considerar qual o estado de espírito de quem faz paciências com cartas."

Fernando Pessoa/Bernardo Soares, Livro do Desassosssego

Etiquetas: , ,